Arquiliteratura – A garota no trem – Portas e janelas francesas

best-of-as-well-as-windows-besides-window-rating-label-plus-architecture-and-modern-design-together-with-how-your-window-rating-label-is-costing-you-money-featured-pictures

Oi, gente! Hoje é sexta-feira e é dia de dica por aqui. Vou confessar que esse é um dos posts que eu mais curto montar, sabiam? Porque, além da arquitetura e decoração, envolve todo um preparo com um dos meus hobbies favoritos: a literatura. Dessa vez, a dica de leitura é de um thiller indicado – e emprestado – pela minha irmã: A garota no trem, de Paula Hawkins. Morri de curiosidade e ansiedade para lê-lo desde que a sister me descreveu o enredo. Vamos ver se eu consigo a mesma proeza com alguém de vocês: uma mulher pega o mesmo trem, no mesmo horário, todos os dias úteis, rumo a Londres. Da janela de seu assento – o mesmo de todo dia – ela observa, numa das paradas do percurso, o cotiano de um casal – que ela batiza como Jason e Jess. Até que um dia ela nota que Jess desapareceu  e – pasmem! – ela não se lembra, mas sabe que, de alguma maneira, está envolvida com esse desaparecimento.

Deu vontade de ler? Então trata de providenciar o volume, porque a história é daquelas que nos envolve desde o comecinho e que a gente quer ler sem intervalos, até descobrir tudinho. O enredo é super bem amarrado e a trama vai nos surpreendendo com revelações dolorosas da história de Rachel – a garota do trem – e de como e porque ela pode estar envolvida com o desparecimento de Jess. Texto bem escrito, com personagens femininas fortes e psicologicamente debilitadas em função da opressão masculina. E o mais gostoso é que o livro traz várias passagens com descrições deliciosas de arquitetura e decoração. Podem esperar que vai ter mais Arquiliteratura com “A garota no trem” por aqui, viu? Agora vamos ao trecho e ao assunto de arquitetura de hoje?

“…Percorro a casa com o olhar, mas não há nada para ver. As cortinas estão abertas no andar de baixo, mas as portas francesas estão fechadas, o sol refletindo nas vidraças…” Trecho da página 20.

Se tem alguém com boa memória por aí, vai se lembrar que no último Arquiliteratura, sobre o “Como eu era antes de você”, o trecho citado mencionava – entre diversos outros tópicos inspiradores – janelas francesas. Coincidência das coincidências – se é que isso existe… – esse aqui fala de portas francesas. Mas, afinal de contas, o que seriam portas e/ou janelas francesas?

Portas e janelas francesas são esquadrias com estruturas quadriculadas, leves e discretas e fechamento em vidro, normalmente instaladas em grandes vãos – grandes em largura e/ou altura – que fazem integração entre área interna e externa, propiciam uma grande entrada de luz natural nos ambientes em que estão instaladas e, por ambos os motivos anteriores, proporcionam sensação de amplitude. Portas quando fazem passagem de um lugar a outro e janelas quando apenas se abrem – ou simplesmente dão vista – para a área externa – obviamente! Colocando isso em imagens…

portas francesas

porta francesa

janelas francesas

janela francesa

janelas francesas

porta francesa

porta francesa

janela francesa

porta francesa

portas francesas

Imagens: Reprodução

Posts Relacionados
AeB
Sala em decor verde menta

Warning: mysql_query() [function.mysql-query]: Unable to save result set in /home/blogmida/www/wp-includes/wp-db.php on line 1823

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


AVISO: Muitas das imagens usadas no Midá são de fontes diversas, sendo, em sua maioria, externas e, por vezes, não autorizadas. As imagens não pertecem ao blog Midá, a menos que estejam assim creditadas. Se encontrar uma foto de sua autoria publicada aqui e desejar sua remoção, por favor nos envie um e-mail que prontamente a removeremos.